Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

A Belle Époque e a Política

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso. Neste artigo se propõe a discutir atentamente a política em suas múltiplas facetas. Na perspectiva antropológica a política pode ser vista em três ângulos diferentes, mas que se interagem entre si ao longo da História da humanidade, tal interação abre um conjunto infinito de nuances que produziram tipos e ideologias, que assim permeiam nosso pensamento quando tocamos no assunto.

Que o leitor pode olhar com mais atenção , nas linhas seguintes: no ângulo ocidental que abrange todo continente europeu, onde se olha para as origens da democracia ocidental, em especial a grega.

Como o leitor pode ver assim avançamos em nossos assuntos . Após encerrar a série sobre o Absolutismo na França, após ter falado acerca da invasão da Sérvia , agora irei construir uma série sobre a Belle Époque. Nesta primeira coluna , vou comentar acerca da relação entre a Belle Époque e a política.

A Belle Époque (expressão francesa que significa bela época) foi um período de cultura cosmopolita na história da Europa que começou no fim do século XIX (1871) e durou até a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914. A expressão também designa o clima intelectual e artístico do período em questão. Foi uma época marcada por profundas transformações culturais que se traduziram em novos modos de pensar e viver o cotidiano. Foi considerada uma era de ouro da beleza, inovação e paz entre os países europeus. Novas invenções tornavam a vida mais fácil em todos os níveis sociais, e a cena cultural estava em efervescência: cabarés, o cancan, e o cinema haviam nascido, e a arte tomava novas formas com o Impressionismo e a Art Nouveau.

Bem pode considerar além disso “Belle Époque” foi representada por uma cultura urbana de divertimento incentivada pelo desenvolvimento dos meios de comunicação e transporte , que aproximou ainda mais as principais cidades do planeta.Ocorrendo durante o início da Terceira República Francesa (início 1870), foi um período caracterizado pelo otimismo, a paz regional, prosperidade econômica e, inovações culturais, científicas e tecnológicas. No clima do período, especialmente em Paris, as artes floresceram.

E Muitas obras-primas da literatura, música, teatro e artes visuais ganharam reconhecimento. A Belle Époque foi nomeada, em retrospecto, quando começou a ser considerada uma “Idade de Ouro”, em contraste com os horrores da Primeira Guerra Mundial.

Literalmente naa Grã-Bretanha, a Belle Époque coincidiu com a Era Vitoriana tardia e a Era Eduardiana. Na Alemanha, a Belle Époque coincidiu com os reinados dos cáiseres Guilherme I e Guilherme II, na Rússia coincidiu com os reinados dos czares Alexandre III e Nicolau II, na Itália com os reinados dos reis Vítor Emanuel II, Humberto I da Itália e o início do reinado de Vítor Emanuel III. Na Europa, os antigos Império Austro-Húngaro e Império Otomano, com capitais em Viena e Constantinopla respectivamente, ainda eram considerados grandes potências, apesar de ambos terem sidos desmantelados após a Primeira Guerra Mundial.

Legalmente o surgimento da Art Noveau data dessa época.O estilo chamado art nouveau (“arte nova” em português) foi típico da Belle Époque. Esta corrente artística surgiu nos finais do século XIX, em reacção ao emprego abusivo na arte de motivos clássicos ou tradicionais. Em vez de se basear nos sólidos modernos da arte clássica, a art nouveau valorizava os ornamentos, as cores vivas e as curvas sinuosas baseadas nas formas elegantes das plantas dos animais e das mulheres. É uma arte essencialmente decorativa sendo as principais obras desse estilo fachadas de edifícios, objetos de decoração (móveis, portões, vasos), jóias, vitrais e azulejos. Um dos pintores mais conhecido da Arte Nova é Alfonse Mucha.Tendo surgido, acredita-se, de uma série de influências na arte, também na literatura, considera-se que entre os seus precursores estão William Morris e o movimento Arts and Crafts, o movimento Pré-Rafaelita, o Historicismo do Romantismo do Barroco, do Revivalismo Gótico e Celta, William Blake e Walter Crane, as gravuras Japonesas , Oscar Wilde, o ideal wagneriano de Gesamtkunstwerk, de Aubrey Beardsley, a poesia simbolista de Mallarmé e das pinturas de Toulouse-Lautrec, Munch, Whistler, Nabis e Seurat.

Em literatura, considera-se que um dos principais precursores do estilo Art Nouveau Revivalismo Celta, especialmente na Inglaterra, Escócia, Irlanda e Escandinávia, o qual teria dado, voltando-se para as “épocas áureas” de cada país. Apesar dos motivos medievais de cavalaria usados por esta tendência literária, que contribui para a Art Nouveau em outros gêneros artísticos, havia nesta escola um desejo da libertação do antigo e uma certa procura do novo, que refletiu-se em movimentos como o Novo Paganismo ou o Novo Hedonismo enquanto que O retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde “caracterizava-se pela Nova Voluptuosidade”.

E no fim do século XIX o êxodo rural, o desenvolvimento das comunicações e a eletricidade, aliadas ao crescimento urbano propiciaram o surgimento da cultura do divertimento. Essa cultura ganhou status social na burguesia através dos cabarés, onde era possível encontrar a fusão dos elementos da cultura erudita com os elementos das classes baixas.

Para a indústria do divertimento (parque de diversão e cinema) foi possível devido ao desenvolvimento da eletricidade e a diminuição da jornada de trabalho, fazendo com que os operários tivessem mais horas livres para o lazer. Os parques e os cinemas transformaram-se em divertimento de massa, porque o ingresso era barato e esses divertimentos provocavam um desprendimento momentâneo da realidade cotidiana das pessoas.

O momento de mistura de diversas escolas artísticas de modo promoviam uma nova visão acerca da realidade. É oportuno dizer que os esforços de muitos artistas em diversas artes refletiram essa mentalidade . Cada artista se identificou com essas grandes linhas de pensamento norteadoras do processo , essa consideração é importante no momento atual, a arte pode e deve florescer mediante os confrontos existentes no mundo.

Quando esse ponto de vista existe no meio artístico corresponde na verdade numa afronta ao poder político doravante naquela época , os artistas europeus entendiam que a guerra apenas impedia da circulação mais adiantada das obras de artes pelo continente. Os artistas tinham a concepção que a arte podia corrigir o mundo , a partir de uma compreensão do mesmo no estado de ruínas e crises.

Usualmente, faremos uma breve questão como é nosso costume. Por que razão a política não entendeu a Arte? A resposta pode ser dividida em três etapas, que pode assim melhorar sua compreensão caro leitor nesse instante, considerando tudo citado acima.

E a primeira etapa logo vem, os políticos deram a maior prioridade a agenda da semana , que de fato era somente os horrores da Primeira Guerra Mundial, e assim reduziram sua atenção a outros temas de igual relevância em seus países , tal atenção de fato foi direcionada somente para os resultados imediatos da guerra. A guerra tinha um valor financeiro para o mundo europeu.

E a visão concebida por artistas entrava em choque completo na oposição com a linha de pensamento que norteava a liderança política , esta por sua vez se sentia ameaçada com essa linha progressista. Sem uma razão aparente os políticos entendiam que a arte e o poder não se combinam.

A segunda etapa vem agora,a arte nunca dependeu da política , Platão em sua cidade ideal excluiu somente os artistas. Considerando que a sua obra República , ele privilegia a sabedoria como centro das atenções como um modelo de existência, mais questiona a presença do poeta como símbolo do artista em geral em sua República. Essa rejeição seria uma forma de ignorância estética advinda do filósofo.

Postura estranha a independência da duas formas de ver e entender o mundo, o filósofo na verdade traduziu sua repugnância clara á respeito da Arte. A República de traduz essa percepção refinada e errada , o vigor analítico do filósofo Platão ressoam até os dias da Primeira Guerra Mundial, impedindo somente os governantes de ouvirem e entenderem os artistas.

O fio de ligação entre o poder e o manter era muito grande na época, por essa razão ouvir os artista era algo de segundo plano, a postura dos políticos na verdade foi esta. Não precisamos de olhar a a Arte, o Estado sozinho resolve seus problemas. Essa concepção norteou e direcionou uma grande número de líderes políticos, norteou porque muitos seguira mesa direção proposta.

Liderar para os muitos chefes políticos era apenas dar as ordens e ver tropas marcharem e dar vitória e novos territórios adquiridos mediante a morte de muitos soldados e recrutas novos e despreparados para essa realidade conectada ao fogo da guerra.As lideranças viram isso como uma oportunidade ofertada ao tempo de paz , depois dos conflitos.

Indicava por outro lado que a Arte era contrária a um momento de euforia resultante de uma vitória em campos de guerra , já indo rumo a última etapa . O governar é um exercício que exige uma ponderação estética acerca da ideia de vitória deve traduzida como soma de territórios e ainda mais com a força de natureza imperial, cabe a cada governante considerar um frio de riscos , e pelos perigos do poder.

Tracejando uma mentalidade possível da época bem beligerante com uma atenção a ser dividida com vários canais de poder e estratégia, os artistas não entendia muitos riscos, pois era arte era uma forma de ativismo social, contra o projeto de mecanizar o mundo com a força.

Infelizmente por essa razão somente os políticos não entenderam Arte de forma clara. Esse ativismo social na verdade deu as engrenagens necessárias ao povo para se articular e entender todo o processo desencarrilhado nas guerras e conflitos nas terras europeias.

Cada artista se alinhou ao pensamento artístico dominante e vigoroso, a força do poder, esse alinhamento consiste em compreender o mundo a partir da Pós-Modernidade Líquida desenhada por Zigmunt Bauman em seu conjunto de obras conectadas uma rede invisível de valores culturais imbuídos. Alinhar a Arte e Política em suas obras também é um caminho a ser traçado por muitos interlocutores como Giorgio Agamben e Slavoj Zizek contrapondo com outras obras bem sinalizadas por intermédio de uma nova arqueologia foucaultiana.

Aqui encaminhamos para uma possível conclusão, o leitor pode pensar então podemos conectar a Arte e a Política como as formas de entender o mundo em vias distintas e coloridas com cores fortes e tonalidade escarlate , essa interpretação deve ser clara e límpida , deixando assim os riscos possíveis de um perigo iminente da rejeição a presença da Arte. O foco do poder na Primeira Guerra Mundial estava em afastar a influência da Arte nos assuntos políticos do dia, os líderes mundiais seguiam essa visão dominante no período. Assim agradeço leitor pela cara leitura , e para acompanhar leia a República de Platão, Em Busca da Política de Bauman, tenha uma boa leitura.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.