Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

As Montanhas e a Herança

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso.

Assim dando uma certa continuidade ao longo fio biográfico do caçador Esaú e sua polifônica vida, nesta quarta coluna acerca do vilão bíblico Esaú. Bem irei falar exatamente acerca das montanhas e a herança, num sentido genérico sua herança e nada mais.

Simbolicamente ainda comentando sob o emblema real da herança ou do legado, caçador Esaú não levou nada a sério acerca do assunto, usualmente preferiu caçar incansavelmente em detalhes.

Mediante a tudo que tinha acontecido com ele exatamente nos últimos dias , ao perder a melhor parte da herança ficou para o espertalhão irmão em riquíssimos detalhes, o que a ele somente restou?

O caçador Esaú ficou horas e horas tentando compreender tudo que acontecera nos detalhes que sobressaíram na pintura ou tela magnífica da vida.

Naturalmente partira para as montanhas em busca da melhor caça para oferecer ao velho pai, contudo as notas graves apareciam na sinfonia da sua polifônica vida estavam bem presentes.A visão dele estava sombria conforme pensava sobre todos esse conjunto de acontecimentos de forma sucessiva.

Trilhando as pegadas de sua caça em potencial,o caçador em vão tenta compreender o sentido global dos acontecimentos.A ideia de compreensão advém de fatores externos e internos dos eventos recentes, contudo a dita ‘esperteza’ do irmão pode finalizar em morte.

Ao vislumbre dos últimos eventos, o caçador concluíra que toda sua vida seria uma batalha contínua contra as notícias contrárias ao seu crescimento pessoal.Ele sempre desejara estar pronto para todos os desafios da vida.

Nunca iria cair em alguma foram de desespero ou fracasso pessoal.Mas nada ainda poderia dizer de forma factual, ele ainda não estava realmente pronto para perder a melhor fatia da herança.

Talvez pensasse que seria a última caçada de sua vida , mas nem tudo conforme você pensa meu prezado leitor a polifonia da vida é um grande desafio.

Agora retorna para todo o ritual da caça, em que precisa acertar o animal em movimento naquele sombrio bosque , os riscos são enormes em prol do erro de alvo, mas ele acredita que pode acertar esse animal em movimento.

Naturalmente em frente ao animal selvagem , encara a si mesmo naquele desafio em mínimos detalhes conforme tudo que imaginara em toda sua vida.

Herdar ou não herdar :eis a questão? A dúvida shakespeariana lhe assola , não sabe qual é a exatidão da resposta que o tempo lhe exige com ínfimos detalhes .

Assim nesse momento ele busca alguma forma de resultado com suas caças que possam agradar seu velho pai, os esforços são muitos, mas nada parece adiantar de forma clara.

Sinuosamente os caminhos em prol da herança continuam sombrios com a completa ausência de clareza ou iluminação.E diante de cada evento, o caçador tem diferentes reações e sua acidentada vida diante do funesto quadro da polifonia de vida.

E a sequência de fatos apenas concorda em montar os eventos que fazem parte da vida.Parece que todo problema reside oficialmente na ideia de herança ou legado, e o caçador de fato não sabe o que fazer com esses argumentos.

Assim ele encara cada fato em separado, parece tudo uma espécie de jogo ou enigma enviesado e sombrio que não sei exatificar os eventos que são bem contraditórios e inexatos que desafiam a lógica da existência.

Herdar algum legado significa que o caçador deve ter a mínima responsabilidade acerca do assuntos tribais e familiares , parece que ele quer se afastar dessa função de sua existência.

E usualmente ele procura sua caça entre as muitas montanhas em busca de uma possível resposta, mas nada encontra um fator que lhe seja no mínimo favorável diante da caça.

Realmente o caçador Esaú encara o tal assunto da herança como o dia de ser a caça , o desafio era maior que as suas decisões que ecoariam por muitos séculos.

Agora conforme seus plano iria perder a maior parte da herança que lhe cabia , as decisões tiveram que aguardar e os perigos tiveram que esperar qualquer forma de ação.

Naturalmente o caçador sabia de antemão do enorme peso simbólico que a herança familiar representava, sabia que os seus vínculos seriam cortados.

Cabalmente esse legado lhe assusta em cada detalhe , essas conquistas lhe são de fato pesadas e acumulativas, mas Esaú prefere o silêncio das pedras e das copas das muitas árvores que ali estão.

Arcar com os fatos desafiadoramente é ver a si mesmo no espelho, ou na mesma água , o conjunto de infinitas consequências começam a aparecer no horizonte como um enorme sinal da polifonia de vida.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.