Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

A Questão da Herança

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso.

Agora nessa terceira coluna acerca do sexto vilão bíblico Esaú, tanto no passado como no presente as famílias , em especial os filhos se preocupam muito com a séria questão de herança.

Quando na famílias orientais a maior parte da herança ia em benefício do filho primogênito, todas as bençãos patriarcais o pai passava para o filho mais velho.

Usualmente, isso acontecia ou ocorria de forma bem desequilibrada nas relações fraternas alguém ouvia tudo de canto em detalhes acerca do enorme problemas advindos da questão de herança.

E saber de que é preciso um pouco de ironia para facilitar a luta em prol de uma boa fatia da herança, hoje ontem, os filhos após o mais velho se engolfam numa luta sangrenta em prol de uma pequena fatia da mesma.

Talvez Esaú não quisesse se preocupar com a questão da herança, pois já tinha outras preocupações que deveriam ser no mínimo prioritárias como sua própria família.

A questão da herança deixava Esaú e seu irmão em ânimos exaltados diante da complexidade do dilema em que estavam envolvidos até o pescoço.

O tamanho do dilema apenas aumentava a ideia de disputa familiar e o clima de tensão entre os dois irmãos, no ar pairava um clima de combate ainda por resolver.

Diante desse quadro nada alentador , o caçador Esaú saiu para caçar em busca de tranquilizar sua cabeça já esquentada com os muitos problemas familiares correlacionados a herança.

Agora depois de algumas andando e vagueando em busca da caça esperada , refletiu acerca dos muitos riscos de sua empreitada não sabia exatamente o que esperar de todos eventos de sua polifônica vida.

Haver ou não existir a tal herança era um grande pensamento para o caçador Esaú.A questão da herança deixava-o muito frustrado mediante as decisões do passado.

E a questão da herança na verdade desenhou no futuro uma infinidade de chances possíveis para a vida polifônica do caçador pouco importava a questão da herança.

Razoavelmente ele enxergava tudo como uma espécie de jogo ou uma tentativa de entendimento mas era apenas um esforço moral e nada mais.O caçador queria conseguir uma boa fatia dessa herança em todos os detalhes minimizados e maximizados de acordo com seu interesse.

Agora suas reações são de fato imprevisíveis conforme seus pensamentos acerca do assunto, de fato ele não sabia como lidar com essas questões.

Naturalmente o caçador Esaú considerava tudo isso uma forma latina de provocação.As lembranças do caçador Esaú são como peças de um grande quebra-cabeça que estão separadas umas das outras em locais distantes, em que quando juntas formam o mosaico chamado Vida.

Categoricamente , o caçador deixou essa questão também relevante de sua polifônica vida em segundo plano, pois até achava de forma viável que tinha perdido ou escoado esse direito.

Assim o legado do caçador Esaú é algo bem simbólico e sinuoso mediante um olhar mais atento ao contexto, a rejeição em família agravou mais a situação em questão , talvez ele desconfiasse de alguma forma de dúvida ou provocação.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.