Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

A Casa, o sítio e a praia

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso.

Assim o viajante assume o caráter e a dimensão do nômade que constrói a imagem refletida nas dunas do deserto do mundo pós-moderno, nas areias do tempo que desenham e flutuam nas tempestades advindas da polifonia da vida. Agora os eventos da vida sucedem conforme as visões e desenhos que ganham cores e estuques em concordância com as verdades realizadas no tempo certo e de acordo com a verdade.

Casualmente , este nômade parte em suas jornadas para alcançar a sabedoria , pois ele acredita que a sabedoria existe e coexiste com as dunas do deserto e e as figuras sombrias da noite.Esse caminho sinuoso semelhante uma serpente indo em busca de sua presa, o nômade recria imagens claras da existência a partir da realidade sombria da polifonia da vida.

A polifonia da vida retratada por uma realidade nada apaixonante , o nômade em busca da sabedoria advinda do horizonte brumoso e frio da existência humana, ele resgata fatores reais de uma vida frutífera redesenhada em detalhes frios e exatos. Esses retalhos da polifonia da vida , ganham uma configuração colorida e viva depende das verdade nele contidas , essa configuração amplia todo seu entendimento que fica cada vez mais forte.

Sinuosamente, a viagem em sua terra natal reabre a mentalidade tradicional da polifonia que harmoniza as notas graves e agudas em uma partitura bem sinfônica e agradável aos ouvidos dos que o ouvem recontar a sua épica existência. Ao chegar em sua terra natal , ele recondiciona aos ouvidos de parentes fatos felizes da sua vida como os picos mais altos da vida e os momentos mais sombrios como picos mais baixos da vida.

A viagem por si só é uma forma de aprendizagem , o nômade é o seu próprio mestre de aprendizagem ao se encaminhar em casa de conhecidos em busca de fatos que reanimem a memória por hora, esses caminhos reabrem a visão contraditória dos fatos. O risco da visão contrária dos fracassos exposta com as realidades conflitantes de correntes da polifonia da vida, em notas graves em momentos frustrantes e com crises existenciais, e frias de fogo real da vida , nesse o nômade entende que o simbolismo do fogo representa muito em suas experiências particulares , e míticas apesar das sobriedades.

O nômade entendeu a interpretação clara da existência da polifonia da vida, esse desenho concretista da vida de um nômade, essa realidade afogueada fruto de uma longa viagem pelo deserto quente da vida pós-moderna.E o livro ‘Bem vindo ao deserto do Real’ do filósofo Slavoj Zizek retrata e tipifica bem esse deserto na nossa realidade contemporânea, e leva a compreensão que todos nós somos de alguma forma nômades em nossa realidade.

Sinceramente, o nômade encara e entende tudo como realidades exatas e inexatas que são somente construídas pelo frio caminho do destino que o persegue em sua rota , pode ser uma fina ironia cervantina que assume várias cores semelhante ao arco-íris, que ganha ao longo do tempo novos contornos e vislumbres que aprecem em pinceladas no tempo.

Ironicamente isso é uma pura verdade que exige um processo de purificação ou depuração, essa visão trágica da existência que exige muito sacrifício de um peregrino, mas como ele já passou desta fase. A depuração é um processo rápido que exige detalhes e observação longa de todo integrados vida e natureza, é uma foram de existência sinfônica e tragicômica , que requer esforço do nômade em lidar com os assuntos cotidianos.

Talvez nesse momento ele demonstre um pouco de fraqueza num mínimo momento essa ironia cervantina vai aparecer uma hora , deve encarar tudo com força e sabedoria particular e quase lunar que se desponta no horizonte.A força do nômade reside exatamente onde ele espera exatamente, tudo acontece de forma irregular e insegura de maneira constante.

Indo rumo a seus objetivos particulares, esse nômade aceita todos os desafios que existem em prol de algo maior, são atos sacrificiais, e bem relevantes , e nessa busca ele sintoniza tudo a polifonia da vida que sucede ao seu redor.

O nômade recria outros caminhos possíveis para um eterno retorno por novas linhas de pensamento ou recriação pode parecer uma utopia ou recriação ingênua. Essa recriação do nômade apenas renasce mediante esforços pessoais do nômade ou de pessoas a ele ligadas por momentos da vida. Essa aventura é bem perigosa e arriscada ou desventurada depende da figura recriadora do nômade em diversos momentos.

E finalmente busca recuperar essas energias a partir de atos voluntários e episódicos ou esporádicos que se sucedem de forma imediata. Ao recuperar essas custosas energias que coexistem com um fracasso moral que o restringe de forma ácida e complexa. O deserto pode lhe condenar por cansaço ou fraqueza , esse existe para testar a humanidade em diversas situações , é um termômetro.

A disciplina do nômade reside em caminhar sem parar , rumo ao seu objetivo central , suas respostas são como riscos a serem alcançados durante o processo da caminhada.O discurso do nômade varia de acordo com as vontades da viagem, o maior desafio enfrentado por um nômade são serpentes e escorpiões durante sua longa a travessia no deserto.

Portanto, esses são os inciais, os outros surgem a cada possível necessidade que se apresenta no cotidiano de sua caminhada. O surgimento de outros canalizam sua atenção em ritmo acelerado correndo todo perigos necessários para sua viagem ser chocante.

Realmente ele acredita que vivenciando esses reveses , ele passa a recuperar as duas visões anteriores acerca da longa viagem, em busca de determinada sabedoria só alcançada mediante uma longa caminhada, que exige esforço e dedicação. A dedicação é sinal que os símbolos surtiram o determinado efeito, quando era ainda um peregrino tempos antes esse e o resultado imediato dos riscos passados e desenhados nas areias do deserto.

As desventuras ocorridas durante a viagem favorecem gradualmente esse tipo de viajante que exerce fascinação presente no Ocidente mediante os diferentes pontos de vista advindos de sua experiência jamais negada pela verdade dos fatos vivenciados por ele em diferentes caminhos que já trilhou ou se negou a trilhar. Quando negou teve seus enorme motivos ou razões pessoais, que exercem gradualmente.

Inicialmente , as desventuras negadas apontaram falhas e pontos de vista sem visão clara da realidade, nesse caso é de bom tom recorrer aos escritos de Slavoj Zizek ao lidar com o deserto da Pós-Modernidade, o filósofo ocidental tem os devidos sinais dessa profunda reflexão apontando um caminho para o futuro ou presente ampliado por intermédio de enorme pensamentos particulares apresentando alguma forma de esperança ou plano futuro.

Assim as três figuras apresentadas nessa colunas ou artigos representam a visão honesta acerca da ideia bem original de viagem, a ascensão da figura do nômade sobre a do peregrino indicam claramente a desventura da existência humana, a sombria figura dos forasteiro assusta a visão otimista de todo bom viajante , que de vez em quando aparece marcialmente na releitura de Odisséia ou de outras obras de cunho literário relativas a viagem e sua consequências. A figura do nômade recupera essa exigência advindas das boas normas de conduta e hospitalidade rejeitadas por boa parte da humanidade ao longo da existência e na longa cainhada da História. Nos nosso dias é necessários ler e entender a dimensão da filosofia apresentada por Slavoj Zizek em seu livro.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.