Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Um Pai nada Exemplar

Share Button

Usualmente falei na segunda coluna acerca de um marido nada exemplar , sobre a vida do senhor Lameque, o nosso vilão da Bíblia e dando prosseguimento a nossa série sobre os vilões da bíblia, nessa terceira coluna continuarei comentando como assunto a vida provisória do nosso vilão o senhor Lameque, pode parecer uma fina ironia shakespeariana, mais um vilão merece um série longa de sete colunas e uma entrevista bem temporária com o nosso vilão. Hoje falarei sobre um pai nada exemplar, o prezado senhor Lameque.

Mediante tudo que foi aqui comentado acerca da vida matrimonial dele, agora chegou o momento de falar da criação dos filhos uma eterna problemática ontem e hoje no mundo, onde os especialistas listam valores e condutas para se ter junto aos filhos , existem receitas para se educar filhos, se existem me passem, pois ainda não sei , isso realmente divide os psicólogos e terapeutas familiares , sem ser no mínimo dogmático nem problemático. Ele não sabia educar filhos , nem dona Ada um diminuto problema familiar, mas ressalto alguma coisas para não educar filhos, que colunista bronco.

Portanto exercer a paternidade é um dom que é doado, pois ele não sabia , nem muito ela. O casal sofria ao lidar com o primeiro filho, na verdade canônica , o casal encheu o filho de afagos e carinhos e esqueceu de tabela passar a vara da correção. Pois , existe um ditado bíblico, ‘ se o pai não corrige o filho, mais tarde se arrepende’, ao que parece o casal ainda não arrependeu exatamente como pensamos normalmente na mentalidade de nosso mundo Pós-Moderno.

Assim, o senhor Lameque se preocupou no mínimo em criar a diversão com os filhos, lhe ensinou a montar brinquedos de madeira, um pequeno problema, não havia fábrica de brinquedos ou algo dessa natureza. Pois nesse momento a sociedade estava alcançando sinais de civilidade, e parece que o pai ainda aprendiz entendeu bem a mensagem do tempo, regularizar relação pai-filho sempre foi complexa. A figura do pai sempre representa alguma forma de autoridade e austeridade, formas combinadas da existência, um detalhes os meninos foram crescendo e crescendo , mas essa relação ficou acidentada e acidental.

Infelizmente neste pai em especial, faltou um pouco de austeridade, no jogo de poder ele deveria ter um pouco de severidade com seus filhos, filhos crescidos trabalho dobrado um bordão popular já naqueles dias primevos. A ideia de austeridade , é um princípio norteador da existência humana, poucos ponderam sobre esse valor moral que é importante na criação de filhos e filhas.Uma visão bem complexada da vida em família, a humanidade começava muito bem.

Naturalmente , os filhos de Lameque começaram com pequenas atitudes irresponsáveis, mais sem a vara da correção tudo passa a desandar sem o mínimo de controle , um baita problema. As pessoas nunca visualizam a correção , ela fica normalmente num horizonte utópico sem observar o futuro que descortina a cada passo á frente, pessoas quando não corrigem filhos e filhas sofrem com a ausência de iluminação moral.

A dona Ada lamentava que os garotos tinham começado a dar trabalho, um péssimo começo, e usualmente o pai apoiava e gradativamente dava muitos incentivos para que os garotos continuassem da mesma forma , usualmente a figura da mãe sempre contraria a sombra do pai , essas duas figuras se alinham com tempo. A senhora Ada notou a descompostura dos garotos ,e bronqueou muito com eles, mas a bronca passa e a surra com vara chega. A mãe estava correta com as linhas da correção, e o pai , um elemento descomposto , talvez uma fina ironia cervantina. Meus leitores andamos pouco com esses garotos, e talvez conversamos muito pouco com tal pai pródigo.

Diante do quadro funesto, os garotos cresciam as posturas que deveriam mudar permaneceram que andou em falta a sabedoria nessa casa. A humanidade dava seus passos rumos ao crescimento da violência onde deveria está avançando a civilidade , e o pai Lameque havia perdido a rédia dos garotos, e perder significa muito nessa época para a humanidade. Por outro lado, a dona Ada somente lamentava a rebeldia dos meninos.

A visão da mãe é sempre mais afetiva e conectada realidade dos filhos rebeldes e sem afinidade com as boas posturas.Essa ausência tipificou uma geração que fracassou e que não tinham os motivos necessários para obedecer , esses meninos se tornaram os marginais do mundo antediluviano. Um pequeno problema de encarar a ausência absoluta de correção paterna e materna, os garotos foram assim símbolos de um mundo perdido ou esquecido pela vigas mestras da existência: a ausência de limites.

E dona Ada e seu Lameque passaram dias pensando em como lidar com esses jovens rebeldes . bem o pai não via saídas ou medidas claras para a sociedade nascente lidar como a rebeldia crescente em jovens e adolescentes, bem ele sabia de antemão que a crise poderia piorar mais. A mãe encarava tal situação como um desandar das carroças naqueles tempos, e protelava uma correção mais séria e contundente para todos os demais cidadãos entendessem a profundidade da educação. Por um lado, podemos divagar sobre a ótica do pai, um pessoa frustrada com a realidade inadequada dos filhos.

Xaropando broncas e crispando crise e críticas contra os filhos rebeldes , a mãe ficou cética em relação aos filhos que andavam aprontando pelas redondezas , dona Ada ficou sem uma reação adequada ao quadro desenhado pelas cenas frustrantes dos filhos, a mãe chorava pelos cantos e um pai nada exemplar sorria diante os fatos. O marido irresponsável traduzia tudo em riso para jovens rebeldes era uma cena bem cervantina.

Ele, o senhor Lameque tinha lá suas razões para tanta risada e os vizinhos por sua vez ignorava tais fatos. O pai estava errado, em apoiar filhos rebeldes , os demais vizinhos intrigados se questionavam as muitas dúvidas acerca daquele pai, nem tudo é tão rápido, nem uma mínima intervenção shakespeariana poderia lhe conceder socorro no momento presente. Pois certas intervenções na verdade são apenas invenções de um irônico dramaturgo ou um colunista frustrado também com a vida que não lhe sorri com as coisas que realmente precisa.

Mediante essa visão funesta da realidade, essa visão deturpa e confronta também a nossa realidade. E cada pai e mãe forma os filhos para a sociedade presente e para o mundo, tal visão confronta com a educação oferecida no lar com os pais, tal confronto levanta a questão da liberdade outra vez. Uma visão é também um grande risco para uma sociedade nascente como um retrato do mundo atual, em crise existencial.

Portanto, o senhor Lameque preferiu dar risadas diante da rebeldia dos filhos e começou a entender a máxima da vida , ao pensamento pós-moderno traduziu que a visão recuperada acerca da educação dos filhos , a mentalidade reabre releitura de textos clássicos sobre filhos , como se deve pensar na educação de filhos e por aí vai. A dona Ada refez a mentalidade e passou a falar sobre seus filhos para as vizinhas e amigas.

” Legalmente há sinais que não podemos abandonar , pais quando traem e filhos quando desobedecem” contudo a visão da mãe estava bem correta da realidade conectada da rebeldia dos filhos. Anular essa mentalidade concorda em dizer que o pai foi errado ao não corrigir os filhos durante a fase infantil este certo ponto , ela tinha um certo grau de razão em lamentar com as amigas o problema dos filhos. A lamentação de dona Ada é justificável mediante algumas escolhas, essa dureza em buscar explicar estes detalhes tão complexos para uma mãe.

Assim o senhor Lameque passava os dias pensando nos erros cometidos , em não educar seus filhos e lamentar de uma descompostura dos garotos que cresciam sem parar, bem a rebeldia era um retrato fiel do mundo de hoje e de ontem. O pai e a mãe não poderiam interferir ou mudar mentalidade dos garotos durante algum tempo, pois na mentalidade não se muda com facilidade ou singeleza de coração. Nenhum homem com a paternidade e seus duros dilemas que normalmente são incompreensíveis. Assim a dureza da vida ensinou a ele como deveria agir como um pai correto, mas dona Ada não o perdoou como deveria fazer uma esposa.

Realmente, a vida é assim para um pai nada exemplar , a vida não é cruel com os fatos relatados acima. O mundo de ontem e hoje somente trocaram a música e os problemas sãos os mesmos, e a Pós-Modernidade apenas complicou o que estava já bem complicado, os pais perderam o controle sobre os filhos, e desconfigurou-se a relação familiar com as crise existenciais nos casamentos, e as famílias sofrem com um crescimento da violência em proporções colossais, finalizamos nossa terceira coluna sobre um pai nada exemplar , o famoso senhor Lameque e seus filhos problemáticos que andam como djins no mundo. E o colunista deve ser cuidadoso ao jogar com as palavras. E o Senhor Lameque deve estar disposto a contar suas desventuras em outras colunas dessa série bem longa.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.