Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Um Nome Maldito

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso.

Ultimamente após a longa espera da continuação da série Vilões da Bíblia , se o senhor Caim merecia um testamento biográfico como Jesus mereceu. O senhor Lameque de forma semelhante merece um testamento biográfico ou algo dessa natureza para registrar sua existência na totalidade, em termos gerais. Em seu mundo ainda não havia nenhuma forma de registro como jornais ou revistas que dessem sinal de sua existência.Para informar o prezado leitor, essa primeira coluna de uma série sobre o cidadão Lameque e seu mundo.

Mediante a existência de um registro nós podemos observar os detalhes da existência antediluviana pois a complexidade da vida ajudou a entender o seu modo de pensar de forma complexa e exata , a realidade da vida em verdade é uma polifonia da vida onde se escuta diversos sons e sinalizações sonoras de uma vida agitada já nos primeiros passos da humanidade em prol do progresso e da tecnologia, tais aspirações demonstraram o interesse parcial pelo poder e comodidade.

Naturalmente esse cidadão da mesma forma também se preocupou em interagir com isso tudo, moralmente o esforço individual configurou os primeiros passos da humanidade , esses passos condicionaram a mesma em busca de resultados exatos. O discurso desse cidadão registra um certo grau de pesar e medo mediante o alto grau de violência embutida em suas verdades assertivas acerca do contexto agressivo e violento.

O nome de Lameque significa “que fica abaixo”, “pobre”; “sem esperança”. Os três significados traduzem muita coisa de forma específica, fica abaixo do contexto sem significação cultural ou imaginativa , de certo modo o cidadão referido estava vazio sem nenhum sinal claro de imaginação ou criação pessoal, um vida rotineira sem nenhuma forma de aventura.Uma pessoa comum e uma existência comum, e fria.

Meramente ficar abaixo traduz por um outro contexto mais existencial, ele se considerava inferior aos demais homens de seu tempo. Essa ausência total de auto-estima é relevante parece que precisava ler livros de autoajuda e coisas dessa natureza. Esse complexo afetou a existência de Lameque, e lhe fez perder o sentido do bom viver, talvez aqui seja relevante a vida é um mosaico onde nós colocamos os detalhes que ainda faltam.

E agora pretendo terminar de analisar esta tremenda ausência de auto-estima, essa representação de um homem na multidão, as evidências indicam que não estava sozinho dentro desse enorme contexto, parece que ontem e hoje pessoas vivem sem auto-estima, sem direção de algum alvo na vida , uns acham que o casamento resolve mero engano somente piora as coisas, outros acham que uma vida academicamente produtiva vai lhe trazer valor emocional.

Mas mediante a tudo que falamos acerca do se sentir inferior, agora chegou o momento de falar acerca de ser pobre ou da pobreza. No sentido referencial ao cidadão Lameque indica também uma pobreza espiritual, se espiritual apontamos a falta de conexão com Deus , um sentido primordial para um existir pobre sinalizou uma baixa frequência. A visão de pobreza abarca um segundo sentido,o sentido material, Lameque era um cidadão pobre de recursos materiais.

Assim essa pobreza de certo modo abrange uma míriade de temas, mas nesse sentido a pobreza material tange os valores primordiais que enriquecem o ser humano, e em especial, a visão de Lameque parece um pouco mais profunda além das coisas de peso material. Esse cidadão redesenha a realidade do mundo daquela época, tratando de uma imensidade temática e de valores concernentes a consciência.

Legalmente amparado , o cidadão Lameque não tem respaldo da sombra da Lei para tem os bens necessários para viver bem. Esse respaldo lhe daria direitos e deveres que no mínimo deveriam ser atendidos á contento. Esses deveres de certo modo validariam sua cidadania diante das autoridades e do governo na época, nesse ponto a sociedade atual tem muitos deveres a serem cumpridos de forma metódica, considerar a lei como um aparato de respaldo ao cidadão como um formato de existência gradual.

Diante dos fatos , o cidadão considera sombra da Lei como uma possível cobertura como amparo, Lameque entendia que as sociedades precisam em algum momento desse tipo de coisas par normalizar as condutas morais e sociais de um mundo nascente, retornando a temática da pobreza , o âmbito de pobreza moral deve ser entendido compreendia ganhar tabus e estruturas negativas refratárias as condutas erradas e improdutivas de uma sociedade em formação.

Inicialmente falamos da pobreza e do complexo de inferioridade, meu prezado leitor agora cabe falar da ausência exata de esperança. Ele expressava profundamente a visão de que o mundo seria corrigido ou mudado, essa visão ganhava contornos bem sombrios. E mais complicado é entender por qual razão esse cidadão se adéqua a um mundo sombrio, sem respostas exata e corretas , pois a esperança traz respostas as inúmeras perguntas. A visão desta ausência traduz um frio existir e nada mais , para Lameque revela que o mundo precisava estar completo com angústias e dissabores comuns a uma existência sem sentido ou valor.

Talvez o senhor Lameque sabia que a humanidade estava cercada de sombras e fantasmas que assombravam muitas noites e dias sem um sinal de esperança, e olhava para o horizonte em busca de alguma forma de respostas para suas dúvidas interiores. A esperança pode ser traduzida como uma forma de ter inúmeras respostas as perguntas da vida, realmente ele só ainda existe essa visão sombria da existência.

O cidadão Lameque encarava a esperança e sua ausência distintiva como um jogo de dados e seus inúmeros desdobramentos morais e sociais, o nome pode ser maldito e a pessoa não. Segundo ele o próprio Lameque discorda desse ponto de vista, a esperança é somente um lúcido espelho limpo e claro.Em termos gerais, recuperar essa ideia indica que esse cidadão relevou o valor da existência ao contrariar as claras implicações , essa implicações nortearam toda sua vida por essa razão, ele assumiu o cará ter de vilão bíblico mediante ao anular o valor da esperança e da pobreza espiritual, mas isso não é só isso mas um conjunto de implicações dão a ele esse status.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.