Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

O Desenho dos Ditadores

Share Button

Neste artigo se propõe a discutir atentamente a política em suas múltiplas facetas. Na perspectiva antropológica a política pode ser vista em três ângulos diferentes, mas que se interagem entre si ao longo da História da humanidade, tal interação abre um conjunto infinito de nuances que produziram tipos e ideologias, que assim permeiam nosso pensamento quando tocamos no assunto.

Que o leitor pode olhar com mais atenção , nas linhas seguintes: no ângulo ocidental que abrange todo continente europeu, onde se olha para as origens da democracia ocidental, em especial a grega.

Como o leitor pode ver assim avançamos em nossos assuntos. Após encerrar a série sobre o Absolutismo na França, após ter falado acerca da invasão da Sérvia, agora falarei das sistemas ditatoriais posteriores a primeira Guerra Mundial que dominaram a Europa, o Desenho dos ditadores.

O Ocidente, no caso específico da Europa ofereceu diversos desenhos de líderes genuínos e de desvios na curva , como as figuras sombrias do ditador, em especial ditadores que ascenderam ao poder após a Belle Époque , e dominaram o cenário mediante os inúmeros golpes de Estado.

Durante o começo do século, em especial ao centro e leste da Europa , o militarismo ascendeu as escadas do poder mediante as fraquezas inúmeras advindas dos líderes civis e do descontentamento do povo, anexando uma a outra situação, os militares resolveram por ordem no movimento.

E essa ordem demandou de decisões bem orquestradas advindas dos homens do coturno , cada ditador cabe bem uma situação específica que beneficia a figura sombria de um ditador, que é o contrário da democracia ao privar os cidadãos dos seus direitos civis, tal demanda domina a cena desagradável.

Simetricamente , o tirano sempre é solitário e reflete bem suas ações baseadas em experiência de um passado biográfico frustrado onde pouco realmente alcançou em forma de conquistas pessoais. Esse sujeito ao ter em suas mãos o poder fatura suas vinganças a partir de decisões arbitrárias em cima de desejos não realizados.

E alcança níveis absurdos de crueldade , assim destruindo algo que a civilização construiu com empenho a questão da dignidade humana, cada tirano em especial redesenha a sociedade a sua maneira , fazendo desta feita uma visão caricatural da mesma , essa caricatura também revela com clareza as falhas do seu caráter.

Nunca nenhum ditador ousou tanto em sua existência , eles apenas configuram o desvio de conduta de certas lideranças atuais , esse desvio tem sido motivo de manifestações ao redor do mundo , as manifestações são formas de provar que os cidadãos não aceitam de forma os ditadores no poder.

Há uma ideia que norteia o caminho do ditador é que sabe que os conspiradores sempre irão querer destruir seu governo , embasados na certeza que podem fazer um melhor do que o atual, pois a governabilidade é um processo em que alguém sempre ganha e outro sempre perde em todo o processo.

O caminho da governabilidade é tortuoso, cada ditador canaliza todos os fatores em prol da falsa governabilidade alcançada por métodos escusos o bastante , o governante neste caso é um corruptor que atinge altos graus de maldade solapada por momentos de sucesso enviado por sua tamanha crueldade moral e cultural, destruindo monumentos .

Diante dos fatos tal tirano constrói outros monumentos me honra si mesmo, a memória popular reconstrói os monumentos antigos e refaz uma reconstituição adequada do passado que foi muito útil e bom que deve ser no mínimo reaproveitado com força e vigor.

O ditador na verdade assume o papel de destruidor de uma civilização que dava passos de progresso rumo ao futuro que lhe reserva novos desafios ao tempo certo , um governante de origem democrática desenha uma outra forma de governo com a participação popular adequada.

Simetricamente um governo despótico a visão do povo é ferida mediante ações impensadas desse formato de governante , no caso da ditadura ou tirania que foi construída mediante repetidas ameaças que foram assim faldas por esse tirano.

Durante seu governo , o tirano fatora seus mínimos detalhes de um governo ousado e administra com força e crueldade particular que ao vivo se representa o fracasso moral do poder em si mesmo. A ousadia do tirano deriva-se do seu passado tenebroso e ao mesmo tempo sombrio que se desliza com facilidade moral e social.

Isso indica que o perigo mora perto de cada passo dado por um governante no caso do ditador. Temerariamente, a reavaliação aponta e pondera os valores trabalhados por outros da sua natureza em meios midiáticos, apontando exatamente algumas conquistas por tal governante.

Tal figura sinistra recupera sua posição, e retornando a figura do ditador , ela assume múltiplas formas de exercer seu poder , usando diversos recursos cabíveis no momento , tal uso aumenta o seu poder , esse ditador absolve todas funções que tem a representação do poder.

Assim, esse ditador desenha seu governo á medida que cresce no uso indevido do poder com seus bajuladores que a ele se aglomeram , divisando fazer uma população sofrer e angariar junto a ele um espaço de confiança no governo , pois governar precisa de mão-de-obra para evitar quedas ou declínios.

Diante desses perigos possíveis , um tirano altera tudo em prol de uma governabilidade clandestina e usurpadora , tai fatos são na verdade consequências morais que ele assume ao ponto de dominar o poder Judiciário e legislativo visando manobrar a situação.

O ditador usa todos recursos que dispõe , com seu crescimento que pretende alterar com eficácia necessária todo o regime totalitário que entra num movimento de continuação a partir das primeiras horas que ele de fato assumiu o poder, ao encarar o poder sabe que pode ser de curta duração, mas tudo depende dele agora.

Realmente, esse ditador reconhece que obter o poder não é uma tarefa fácil, contudo perde assim a direção de todos os ângulos , essa perda de direção é um resultado medido por grandes membros das elites nacionais que a ele se associam divisando mais poder para si mesmos.

Encaminhando-se a uma conclusão possível e inexata acerca da figura do tirano e do ditador , um figura sombria e solitária que caminha pelos cômodos de um grande palácio, entre um governante e um ditador , são muitas diferenças e poucas semelhanças. Meu caro leitor é fácil distinguir um tirano , por outro lado é difícil de fato discernir um governante.O tirano na verdade é um desvio de conduta do poder , uma obra caricata do destino.

Simetricamente considerando esse elementos acima referidos no texto, reabre duas questões. Quem desenha um tirano? Quais são seus sinais silenciosos? Os sinais vão ser enumerados mediante nosso entendimento acerca dele como uma figura sombria. O primeiro sinal , ele se ajeita numa função bem estratégica divisando ao futuro um golpe; segundo sinal, usa meios populares para alcançar esse lugar , matando possíveis opositores; e por fim , mata o ocupante da função executiva. Cabe ao leitor descobrir de forma adequada as marcas de um tirano , e fazer sua deposição, nos resta apenas indicar as dicas que acompanham esse texto, assista o filme A Onda, e leia coluna Escola de Ditadores de Mac Margolis , e obrigado pelo apoio.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.