Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

As Ditaduras no Ocidente

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso. Neste artigo se propõe a discutir atentamente a política em suas múltiplas facetas. Na perspectiva antropológica a política pode ser vista em três ângulos diferentes, mas que se interagem entre si ao longo da História da humanidade, tal interação abre um conjunto infinito de nuances que produziram tipos e ideologias, que assim permeiam nosso pensamento quando tocamos no assunto.

Que o leitor pode olhar com mais atenção , nas linhas seguintes: no ângulo ocidental que abrange todo continente europeu, onde se olha para as origens da democracia ocidental, em especial a grega.

Como o leitor pode ver assim avançamos em nossos assuntos. Após encerrar a série sobre o Absolutismo na França, após ter falado acerca da invasão da Sérvia, agora falarei das sistemas ditatoriais posteriores a primeira Guerra Mundial que dominaram a Europa, mas ante devo fazer uma breve introdução acerca de As Ditaduras no Ocidente.

Antes de mais nada é de bom tom definir o que é realmente uma ditadura ocidental? A ditadura é um regime governamental onde todos os poderes do Estado estão concentrados em um indivíduo, um grupo ou um partido. O ditador não admite oposição a seus atos e ideias, possui poder e autoridade absoluta. É um regime antidemocrático onde não existe a participação da população.

Simetricamente surge na Grécia essa forma de governo ,O desenvolvimento político das poleis gregas foi desigual. Enquanto Esparta mantinha-se oligárquica e conservadora, Atenas estava, depois das reformas de Sólon, na vanguarda da civilização grega. Todos os cidadãos participavam da Assembleia Ateniense, embora não tivessem acesso igualitariamente aos cargos públicos. Isso gerou uma insatisfação dos cidadãos pobres, fortalecendo o Partido Democrático. Esse partido, liderado pelos demagogos, queria acabar com o poder da aristocracia. Apoiado pela massa urbana, Pisístrato, um dos líderes éticos, tomou o poder, instaurando uma em Atenas.

Durante seu governo, Pisístrato limitou os poderes da aristocracia, confiscando terras e distribuindo-as entre os pequenos proprietários. Além de terras, concedeu empréstimos estatais para fomentar a agricultura.

Indo em benefício aos mercadores e artesãos, seu governo deu impulso às construções navais, transformando Atenas num poderoso Estado marítimo. O comércio ateniense expandiu-se pelo Mar Egeu e houve um grande progresso do artesanato na Ática. Com a debilidade da aristocracia, estabeleceu-se um novo bloco dominante no poder, composto pelos mercadores, artesãos e camponeses ricos.

Transformou Atenas em uma potência na política grega colonial e internacional. Com sua morte, em 527 a.C., seus filhos Hípias e Hiparco continuaram sua obra. Uma conspiração, porém, causou a morte de Hiparco e forçou Hípias a tomar medidas repressivas. Com isso, ele perdeu o apoio da maioria e foi deposto por exilados pertencentes à nobreza, aliados aos democratas de Atenas e com o auxílio de Esparta.

Assim toda ditadura sucede um processo de desenvolvimento cultural e econômico que chega rápido a um período de declínio e decadência cultural , na verdade um ditador busca fazer um processo e progresso de recuperação da nação ou país que entrou em bancarrota , em termos gerais existem marcas que possibilitam uma ditadura e ascensão de um ditador.

Diante de tais fatos aqui expostos , cabe aqui leitor um pequeno mostruário do quadro de características que mostram uma ditadura autêntica e exata.Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Nesse caso assume o poder em sua forma integral, e profunda , isolando a presença da divisão republicana de poder.

Usualmente as ditaduras costumam proibir ou controlar os partidos políticos.Sendo essa primeira característica de um regime ditatorial. Em especial os regimes ditatoriais, os ditadores normalmente eliminam com eficácia e força policial os partidos opositores, essa eliminação de grupos de oposição que tornaram ameaça ao seu poder integral.

Realmente existem outras táticas ditatoriais envolvem a prisão de opositores políticos, a segunda marca de um regime ditatorial, os ditadores apreciam essa estratégia de manutenção do poder , pois demonstram aos cidadãos comuns que não existem setores privilegiados ou os deputados mais ligados ao poder central.

A censura aos meios de comunicação, seria uma forma calculada de reduzir e minimizar o controle midiático com certa rapidez , e ao ver a mídia controlada. Domina assim outros setores da sociedade , com uma mão de ferro matando possíveis manifestantes e jornalistas críticos ao seu governo, em especial os mais fortes âncoras de TV e rádio, esse mecanismo tem se mostrado eficiente ao longo do tempo.

Simetricamente ao controle midiático e as estrelas de TV, partir para lidar com a massa trabalhadora , e maioria da população e assume o controle dos sindicatos,e prender e torturar os líderes sindicais, buscando boas respostas de suas dúvidas quanto ao governo do ditador em questão, que pode ser ameaçado por um grupos ou uma liderança sindical.

Naturalmente o ditador não só controla a mídia em geral , e os sindicatos que provavelmente causariam sérios problemas a sua gestão. e posteriormente a proibição de manifestações públicas de oposição, matam e prendem os manifestantes contrários ao seu regime. A manifestação como forma de protesto é um direito puramente civil, destruído por um tirano mal-intencionado, e interpreta a Constituição de acordo com sua vontade.Nesse caso compra o Poder Judiciário como tem sido feito por alguns ditadores nesse momento

O Poder Judiciário tem sido comprado por inúmeros tiranos, essa manipulação reside na ameaça de morte por grupos de extermínio contratados por tal tirano, em um processo contínuo , a máquina do poder judiciário segue agora ás ordens de um ditador , que assume com um fantasma o poder dando possíveis ameaças aos rebeldes e supressão dos direitos civis.

Os governos ditatoriais costumam apoiar seu poder no uso das forças armadas. Esse respaldo militar sempre garante uma governabilidade possível, como um tropa de ação imediata do tirano, em renovar os recurso usando dos militares como uma ferramenta viável e favorável ao seu governo. Ao usar essa ferramenta favorável ao seu governo. Diferente dos governantes civis , que encaram a governabilidade como um jogo com vencedores e perdedores , o ditador encara como uma proposta divina e ausente de riscos tão sérios.

Cada ditador sempre recorre ao uso do poder absoluto, embasado em modelos específicos do passado , ou a monarquias absolutistas que dão um modelo exato de um sistema ditatorial.O ditador usa de todos modelos e formas possíveis para seu poder ser mantido.

Indica também que ele fica solitário, com bajuladores e não apoiadores. Dois tipos bem distintos, o primeiro serve como um elogio permanente divisando alguma forma de recompensa a ser adquirida ou dada pelo tirano , esse tipo abunda nos palácios divisando algum naco de poder. Esse quer também integrar ao poder, sem preparo, típico de um acidente de percurso.

Diante de tudo , o segundo difere do primeiro. O segundo como forma de apoio integral oferece um conjunto de conselhos úteis ao governo , esse assume o papel de confidente do governante e se interage com um assunto típico do poder a governabilidade. Apoiar indica perseverar com as lides oriundas do poder, os conselhos servem como uma forma de sinalização ao governante em constante processo de aprendizagem.

E como um apoiador assume os possíveis riscos do poder, os riscos dessa empreitada são vários. A vida de um governante é um livro aberto ao povo, nunca deve esquecer esse detalhe primoroso, o exercício de poder exonera os possíveis detratores do seu poder , e impede as revoltas e revoluções comuns aos governos monárquicos ou republicanos.

Nesse caso, o apoiador não se evade das realidades enfrentadas pelo governante como o bajulador , mas enfrenta em sintonia com o governante, essa sintonia é provocada pela aproximação dos dois tipos e pessoas , o risco é que um governante enfrenta oposição. A oposição sinaliza deslizes desse governante em questão, o militante que favorece o governante com sua presença , anula e invalida esses deslizes , reavaliando o governo do tal sujeito.

Temerariamente, a reavaliação aponta e pondera os valores trabalhados por outros da sua natureza em meios midiáticos, apontando exatamente algumas conquistas por tal governante. E retornando a figura do ditador , ela assume múltiplas formas de exercer seu poder , usando diversos recursos cabíveis no momento , tal uso aumenta o seu poder , esse ditador absolve todas funções que tem a representação do poder.

Encaminhando-se a uma conclusão possível e inexata acerca da figura do tirano e do ditador , um figura sombria e solitária que caminha pelos cômodos de um grande palácio, entre um governante e um ditador , são muitas diferenças e poucas semelhanças. Meu caro leitor é fácil distinguir um tirano , por outro lado é difícil de fato discernir um governante.O tirano na verdade é um desvio de conduta do poder , uma obra caricata do destino. Considerando esse elementos acima referidos no texto, reabre duas questões. Quem desenha um tirano? Quais são seus sinais silenciosos? Cabe ao leitor descobrir de forma adequada as marcas de um tirano , e fazer sua deposição, nos resta apenas indicar as dicas que acompanham esse texto, assista o filme “A Onda”, e lei a coluna Escola de Ditadores de Mac Margolis , e obrigado pelo apoio.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.