Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Os Tratados e as Soluções

Share Button

Por Jessé Salvino Cardoso. Neste artigo se propõe a discutir atentamente a política em suas múltiplas facetas. Na perspectiva antropológica a política pode ser vista em três ângulos diferentes, mas que se interagem entre si ao longo da História da humanidade, tal interação abre um conjunto infinito de nuances que produziram tipos e ideologias, que assim permeiam nosso pensamento quando tocamos no assunto.

Que o leitor pode olhar com mais atenção , nas linhas seguintes: no ângulo ocidental que abrange todo continente europeu, onde se olha para as origens da democracia ocidental, em especial a grega.

Como o leitor pode ver assim avançamos em nossos assuntos . Após encerrar a série sobre o Absolutismo na França, após ter falado acerca da invasão da Sérvia , irei comentar de forma compreensível sobre Os Tratados e as Soluções surgidos após a Primeira Guerra Mundial, essa coluna via encerrar a série sobre a Primeira Guerra Mundial.

Os tratados usualmente tem a utilidade apenas de teor diplomático e indicava um caminho possível a ser atingido por todas as partes em termos históricos é um auxílio indispensável aos governantes nos mais diversos tipos de problemas de governabilidade e ação política.É uma forma de segurança concluída em gabinetes presidenciais e com os militares.

Sinceramente , nada do que os fatos históricos para esclarecer a funcionalidade dos acordos. Após a guerra, a Conferência de Paz de Paris, em 1919, impôs uma série de tratados de paz às Potências Centrais, terminando oficialmente com a guerra. O Tratado de Versalhes de 1919 lidou com a Alemanha e, com base nos Quatorze Pontos do então presidente estadunidense, Woodrow Wilson, trouxe à existência a Liga das Nações em 28 de junho de 1919.

Tratado assinado, a Alemanha reconheceu “toda a perda e danos a que os Aliados, os governos associados e seus nacionais foram submetidos como consequência da guerra imposta sobre eles pelas agressões da Alemanha e de seus aliados”. Esta cláusula também foi inserido mutatis mutandis para os tratados assinados pelos outros membros das Potências Centrais. Esta cláusula mais tarde se tornou conhecido, para os alemães, como a cláusula de culpa da guerra. Os tratados da Conferência de Paz de Paris também impôs às nações derrotadas que pagassem reparações aos vencedores.

Realmente o Tratado de Versalhes causou um enorme sentimento de amargura no povo alemão, que os movimentos nacionalistas, especialmente os nazistas, exploraram com uma teoria de conspiração que chamaram de Dolchstoßlegende (a “Lenda da Punhalada pelas Costas”). A inflação galopante na década de 1920 que foi causada pela frustração nos gastos militares contribuiu para o colapso econômico da República de Weimar e o pagamento de indenizações foi suspenso em 1931, após a Quebra do Mercado de Ações de 1929 e o início do período que posteriormente conhecido como Grande Depressão em todo o mundo.

A Áustria-Hungria foi dividida em vários Estados sucessores (como a Áustria, a Hungria, a Tchecoslováquia e a Iugoslávia), que foram em grande parte, mas não totalmente, definidos por grupos étnicos. A Transilvânia foi transferida da Hungria para a Romênia Maior. Os detalhes foram contidos no Tratado de Saint-Germain-en-Laye e no Tratado de Trianon. Após a conclusão de dois tratados tipificou um clima tenso a inda mediante as consequências econômicas que não tardariam a aparecer , o tremendo gasto com as forças militares resultou em uma crise financeira sem tamanho , que só foi repetida em outras situações em 2008, todos gastos militares em guerras ou conflitos sempre se encaminham para uma possível crise, mas os governantes sempre esquecem desse minúsculo detalhe do poder.

Tardiamente com o resultado do Tratado de Trianon, 3,3 milhões de húngaros ficaram sob domínio estrangeiro. Apesar de 54% da população do Reino da Hungria ter sido composta por húngaros no período pré-guerra, apenas 32% de seu território foi deixado para a Hungria. Entre 1920 e 1924, 354 mil húngaros fugiram de antigos territórios húngaros ligados à Romênia, Tchecoslováquia e Iugoslávia. Os tratados na verdade trataram de assuntos territoriais , mas fugiram da realidade popular enfrentada na época pelos europeus, as lideranças esquecem do povo.

Assim após a grande retirada do Império Russo em 1917, após a Revolução de Outubro, perdeu grande parte de sua fronteira ocidental e as nações recém-independentes da Estônia, Finlândia, Letônia, Lituânia e Polônia foram esculpidos a partir dela. A Bessarábia foi re-anexada à Romênia Maior, uma vez que tinha sido um território romeno por mais de mil anos. Foi tudo um pequeno resultado da ideia de anexar mais e mais territórios, por uma questão meramente estratégica e financeira de alguns líderes envolvidos naquela guerra.

Diante dos fatos acima referidos por mim, neste contexto a gurra simplesmente serviu para os grandes interessados , não o povo que morreu miseravelmente nos campos de batalhas e no poucos sobreviventes que deles saíram , mas sim de governantes que de fato estavam distantes dessa realidade nua e crua da vida militar. Nisso reside uma pequena observação de teor prático, governar é estar junto e pelo povo, não jogá-lo em um campo de batalha como solução.

O Império Otomano se desintegrou e muito do seu território fora da Anatólia foi tomado por várias potências aliadas como protetorados. O núcleo turco foi reorganizada como a República da Turquia. O Império Otomano deveria ter sido dividido pelo Tratado de Sèvres, em 1920, mas este tratado nunca foi ratificado pelo sultão e foi rejeitado pelo Movimento Nacional Turco, levando à guerra de independência turca e, finalmente, ao Tratado de Lausanne, em 1923.Na verdade esse último tratado serviu com um jogo de interesses pelas potências em uma região complexa e delicada até os dias atuais. O número expresso de tratados realmente não importa , mas importa a razão real de cada tratado em si mesmo e a sua funcionalidade , os serviços diplomáticos tem essa boa utilidade, essa ação serve para abalizar com afinidade as decisões tomadas nos gabinetes.

Silenciosamente, governar é um aprendizado permanente e que também permanece quando o governante estiver só em seus gabinete, a ideia norteadora de permanência relativamente dirige as questões políticas no momento ontem , e no momento hoje. Isso pode parecer um pouco estranho mais o político em si reflete sobre a essa luminosa ideia em permanecer para sempre em uma cadeira de governante , é um perigo realmente constante desafiar as normas que conduzem o poder.

E cada governante deve encarar esse fato desde assume uma função pública como administrador, administrar o Estado ou instituições de cunho público requer certa agilidade e disposição para encara os desafios advindos do poder ou das formalidades técnicas advindas do palácio, tais estruturas garantem uma governabilidade integral e possível, por essa razão que governar não é para todos mas é para os poucos, essa expressão explica bem a realidade de um político.

As vezes que são poucas, o governante é preparado para função, outras vezes não passa de um herdeiro , outras vezes é um resultado negativo de um golpe militar ou algo dessa natureza que acontece com muita frequência ao redor do mundo , é uma função provisória de adequada para alguns no meio de nós , tal funcionalidade reverbera em traduzir em desejo em vontade absoluta em governabilidade.

Sinistramente , cada governo é um só por uma época , ele é transitório como uma nuvem que passa rápido , nenhum governante servirá a sua semente, o governo somente é um ato de soberania e fidelidade de um governante para com os governados.

Somente os governantes fortes resistem a períodos de guerra e de paz, a força e a resistência constroem assim grandes fortaleza para defender seu poder dos riscos que podem assim surgir no meio do governo , para contrabalancear os governados difíceis que emergem da multidão.

O poder é um exercício para os fortes que avançam a guerra por si só ensina isso com todas as letras , ao dizer que quem vence assume nossos espaços outorgados como os resultados exatos de uma guerra após um tempo frio e sombrio em que andou o mundo.

Legalmente, uma falha e tudo se desaba em um governante novato e inexperiente , por cargas da água pode vir a perder esse cargo e ao mesmo tempo desafio para os possíveis candidatos que desejam aprender a governar sem o preparo adequado , pois a governabilidade é um risco em que poucos jogadores jogam esse jogo tão perigoso , o perigo reside nos aliados ou no inimigos, os primeiros desejam fatiar o poder , e os últimos desejam dominar o poder.

Usualmente os últimos enfrentam com mais força o governante atual, querendo tomar o poder . Esse poder é algo abstrato e consequente a força do governante, que pode somente acertar em sua decisões como executor do poder , as suas formas de executar com a força do poder absoluto ontem e hoje.

Cada governante exibe uma maneira de governar a possível e visível , e a teórica de se governar . Essas duas formas se cruzam e se confundem com os tempos , a teoria anda junto com a prática permanente do poder , nenhum governante lidera sozinho.

O governo pode ser desenhado como um grande maquinário a ser ativado quando troca de comandante , assim quando vemos um presidente associamos a função militarizada de comandante ou piloto, pelas convenções guerreiras que a humanidade está acostumada ao longo da sua existência.

Encaminhando para uma possível conclusão, o político deve estar disposto a enfrentar as diferentes realidades do poder que assumiu em um dia quando fora eleito pelo povo , pois existem somente vias diretas para o poder ser alcançado com ajuda do povo que escolhe seus representantes mediante o voto e o direito de escolha dado pelo cidadão e a ele devolvido na forma de ações em prol da população.

Sinceramente, o povo é o único que pode escolher seus representantes, apesar em nossos dias a representatividade está em baixa , retomando assim o assunto da coluna os tratados e acordos diplomáticos tem a mínima função de apaziguar um clima tenso e complexo , nesse caso a funcionalidade da diplomacia reside em aplicar um diálogo aberto e compreensivo. O poder ainda representa uma força dada a poucos em questão. O poder é um jogo em saem vencedores e perdedores. Caro leitor não deixe de nos acompanhar por aqui, contamos com seu apoio.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.